Dr. Michele Defende

No dia 10 de agosto, o Dr. Michele, em defesa dos poupadores, despachando com os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) em Brasília.

Há quase 30 anos os brasileiros lutam para recuperar perdas sofridas na poupança. Muitos morreram sem receber. Outros cultivam a esperança de ver prevalecer a justiça mais do que o poder econômico. Mas os bancos não aceitam devolver o que tomaram dos cidadãos e se beneficiam com a morosidade do poder judiciário, o único que pode dar aos consumidores-poupadores a efetividade da justiça.

No dia 10 de agosto desse ano, iniciou-se mais um passo de nossa luta, quando a coordenadora-utiva, Elici Maria Checchin Bueno, e o advogado W Moura, reiteraram pessoalmente ao Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministro Ricardo Lewandowski, o pedido de uma petição que solicita a retomada na pauta deste mês do julgamento da arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF nº 165/DF), além terem entregue comentários de poupadores feitos no site do IDEC e estudos que mostram a capacidade financeira dos bancos de ressarcir os poupadores lesados nos planos econômicos.

Está nas mãos dos ministros do Supremo Tribunal Federal a conclusão do julgamento da ADPF 165 (Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental) que foi ajuizada pela CONSIF (Confederação Nacional do Sistema Financeiro), em março de 2009, e tem como principal objetivo que o STF examine a constitucionalidade dos planos econômicos.

Com a ADPF, os bancos esperam que o STF declare que as instituições financeiras não têm o dever de ressarcir os milhares de poupadores brasileiros que foram lesados com os Planos Bresser(1987), Verão(1989) e Collor(1990).

O julgamento imediato desta ação fará com que milhares de ações judiciais que estão suspensas tenham regular andamento no judiciário, e uma decisão favorável aos poupadores colocará fim ao argumento dos bancos de que não são responsáveis pelo ressarcimento. Julgamento já!

fonte: IDEC.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.